segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Melhor não provocar os tecnólogos

Por Moacir Garcia

No dia 23.02.2011, recebi um e-mail de uma pessoa que por questões éticas irei chamar de Bacharelando em Administração de Empresas. Este cidadão externou sua “opinião e revolta” contra meu artigo Curso Superior de Tecnologia é válido como nível superior, sim!, publicado em nosso Blog na madrugada de 23.02.2011, onde nada fiz senão deixar bem claro que graduado em curso superior de tecnologia não é técnico, e sim tecnólogo.

Para todos entenderem tamanha “revolta” do nosso colega Bacharelando em Administração de Empresas, segue alguns pontos do referido e-mail que considerei interessante destacar aos demais colegas tecnólogos.

Assunto: Posição ao artigo do Blog 'Tecnólogo & Educação' do dia 23/02/2011

Sr.: Moacir Garcia

Na oportunidade de saudá-lo, venho por esta via expor a minha opinião e revolta contra vossa página digital e a matéria do dia 23 de fevereiro de 2011 (http://tecnologoeeducacao.blogspot.com/), onde se pretende equiparar o bacharel ao tecnólogo.

Como bacharelando, julguei o material exposto extremamente desrespeitoso, colocando opiniões um tanto pessoais à frente dos reais escopos de cada tipo de graduação!

(...)

O bacharel possui todos os respaldos necessários para o bom exercício da atividade e desenvolvimento de pesquisas, diferentemente do Tecnólogo, cujo (sic) é treinado para atividades pré-determinadas e está apto apenas a auxiliar o Administrador (Bacharel em Administração de Empresas).(grifo meu)

(...)

O que percebemos é que suas afirmações estão completamente embasadas em conhecimentos empíricos e sem quaisquer bases científicas ou de pesquisas (...).(grifo meu)

Se pesquisarmos, perceberemos que a opção dos cursos de Tecnologia está voltada à pessoas que não possuem condições financeiras ou intelectuais de fazer bacharelado, ou que pretendem se inserir rapidamente no mercado de trabalho como auxiliares.” (grifo meu)

Como não consigo deixar ninguém menosprezar nossa categoria sem apresentar argumentos plausíveis, tratei de escrever um e-mail com “umas poucas linhas” ao nosso colega Bacharelando em Administração de Empresas, a fim de mostrar-lhe que não somos meros auxiliares, muito menos optamos pela graduação tecnológica por não termos condições financeiras ou intelectuais para fazer bacharelado. Lá vai:

Caro Bacharelando em Administração de Empresas,

Para começar, citarei algumas pesquisas realizadas no País sobre o profissional Tecnólogo (disponíveis no Blog Tecnólogo & Educação) que poderão ajudá-lo a ter uma visão melhor deste graduado:

1- A Educação profissional e Você no mercado de trabalho (2010);

2- Formação, nível de competência e situação de trabalho do Tecnólogo (2009);

3- Cursos Superiores de Tecnologia: um estudo de sua demanda sob a ótica do estudante (2009); e

4-Você no mercado de trabalho (2008).

Além disso, segundo o MEC, em sua Nota Técnica MEC/DPAI nº 001/2007:

“O ensino superior no Brasil possui as graduações em três formas equivalentes, a saber: Licenciatura, Bacharelado e Graduação Tecnológica. As graduações tecnológicas, ou Cursos Superiores de Tecnologia [título de TECNÓLOGO a seus diplomados] conferem o mesmo grau que as demais formas, cujos diplomas têm validade nacional de nível superior”. (grifo meu)

“Os egressos de Cursos Superiores de Tecnologia estão aptos a assumir função de nível superior, prestar concursos para esse nível, bem como proceder a estudos de pós-graduação em nível de especialização, mestrado e doutorado”.

O MEC finaliza tal Nota Técnica assim:

“considerando tecnólogos como aptos a participar do processo seletivo em condições de igualdade aos egressos de cursos de bacharelado e licenciaturas, para provimento de vagas com exigência de nível superior”. (grifo meu)

Como pode ver, Bacharelando em Administração de Empresas, de acordo com o Órgão máximo normativo no âmbito da Educação no Brasil as três graduações têm formas equivalentes, não havendo, assim, hierarquia entre elas.

Já que estamos falando em hierarquia, pergunto: quem é maior na hierarquia, o juiz, o promotor ou o advogado? Ainda sobre hierarquia, quem é mais bem preparado, o profissional que cursou 4, 5 ou 6 anos de faculdade? Um médico é superior ao administrador ou tecnólogo já que estudou por mais tempo, haja vista que seu curso superior é mais longo? Acredito que também concordará comigo: não!

Citarei o art. 6º da Lei nº 8.906/1994 (Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil -OAB):

Não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público, devendo todos tratar-se com consideração e respeito recíprocos.” (grifo meu)

DEMAIS PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM JUNTOS PODERIAM SEGUIR ESTE BELO EXEMPLO.

Cada um tem seu papel dentro da empresa. Se o faxineiro não faz seu trabalho, se a recepcionista não atende bem seus visitantes, se o vendedor não resolve problemas do cliente, etc., o superintendente ou presidente da empresa – que segundo sua escala hierarquia é o “maioral” e os demais meros auxiliares – passará uma imagem ruim para seus clientes e fornecedores. E possivelmente não poderá, também, fazer seu trabalho, já que a imagem da empresa estará prejudicada.

Quero dizer, com isso, que se você leu meu artigo, sabe que o que escrevi foi para deixar claro àqueles que consideram o profissional graduado tecnólogo um mero auxiliar - um coitado que não possui condições financeiras ou intelectuais para fazer bacharelado - que não é bem assim. Basta ler um pouco mais, acompanhar o mercado de trabalho e, certamente, mudará de opinião.

Saiba que se não fosse alguns Conselhos de Classe – CFA/CRA e CREA, por exemplo – que ainda reservam vagas em concursos públicos e empresas privadas para seus bacharéis, o mercado de trabalho estaria diferente para todos, pois há lugar para cada profissional, sem um interferir nas funções do outro. Contudo, certas categorias de profissionais tradicionais temem perder espaço para nós, tecnólogos.

Se nós, tecnólogos, somos meros auxiliares, por que o temor? Se somos desqualificados, deixe-nos fazer nosso trabalho subalterno.

O que me diz do licenciado - o professor -, aquele que foi responsável por nos fornecer a base intelectual para hoje sermos o que somos? Ele também é desqualificado por que não é bacharel?

Como Tecnólogo, coordenador de recursos humanos num órgão do Governo, tenho dezenas de bacharéis subordinados a mim, um mero tecnólogo que não teve condições de fazer bacharelado (ou não precisou, para ganhar o que ganho - bem mais que muitos bacharéis que imploram emprego por 2.000 ou 3.000 reais mensais).

Segue, caro colega, um trecho de matéria veiculada na mídia esta semana (23.02.2011) sobre a falta de bacharéis em determinadas áreas profissionais e sua possível substituição por tecnólogos.


"O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante (...) defende que a falta de engenheiros seja suprida por tecnólogos com formação mais curta do que o bacharelado em engenharia. (...) “O Brasil vai ter que acelerar a formação desse profissional que está fazendo falta no mercado”, insistiu Mercadante que contabiliza a formação de 10 mil tecnólogos e 30 mil engenheiros anualmente no país".

Cordialmente,

MOACIR GARCIA

Assim, caros tecnólogos, vamos usar este espaço (Blog Tecnólogo & Educação) para defendermos nossa classe, pois se nos calarmos o mercado de trabalho nos tratará como meros auxiliares dos bacharéis.

8 comentários:

  1. Me sinto violado toda vez que leio declarações como essas, é revoltante testemunhar esse preconceito contra os tecnólogos. Juro que não consigo entender o porquê de toda essa revolta dos bacharéis, não sei porque se sentem tão ameaçados com a nossa presença, deve ser porque temem nossa competência. Sigamos o exemplo do Moacir e vamos sempre gritar por nossos direitos e defender nossa formação quando sofrermos qualquer tipo de discriminação. Vamos falar com orgulho que SOMOS TECNÓLOGOS e mostrar toda a nossa competência por onde passarmos.

    ResponderExcluir
  2. Moacir você está de parabéns, tirei completamente meu chapéu!!
    Sou Francy Rocha, TECNÓLOGA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA, com muito orgulho. Infelizmente sofremos muita discriminação, em Belém/PA ainda não consegui emprego na minha área de formação, tive uma oportunidade no interior do estado, mas depois de 6 meses fui dispensada porque o Bacharel em ADM com MBA em marketing se acha "o" comunicador e sempre tolia minha idéias para o desenvolvimento da comunicação da empresa, e me tratava como mera auxiliar. Tenho muito orgulho do meu curso e sempre pensei que nós temos uma vantagem sobre os bacharéis, temos um conhecimento prático, porque minha aulas na faculdade em sua grande maioria era práticas, e isso é menos frequente nos cursos de maior duração, visto que eles priorizam a pesquisa científica e nos cursos de tecnologia busca-se a prática, pois são cursos completamente voltados ao mercado de trabalho. Pena que o mercado ainda não enxerga essa praticidade.

    Adorei seu blog, e já coloquei nos favoritos. vamos defender com unhas e dentes a nossa classe.
    Viva o Curso de tecnologia!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Adorei e, se me permite, estou replicando seus posts em meu blog David-Invictus.blogspot.com e vou me vincular ao seu.
    Para frisar também sou TECNÓLOGO, graduado em Marketing pela Rede Laurete de Ensino (UnP, Campos Mossoró/RN), então por 'natureza' sofro preconceito dos 'Administradores, Publicitários e os Sulistas'.
    Abraços e JUNTOS SOMOS MELHORES.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns a resposta dada ao vosso excelentissimo bacharel,rsrs.
    Sobre o fato dele dizer que as pessoas que fazem curso tecnológico são pessoas de baixa renda,me enquadro nestas pessoas e com orgulho,porém devo ressaltar que na minha sala mesmo haviam filhinhos de papai com condições suficiente para pagar o curso superior normal e a maioria da minha sala que não era filhinho de papai já atuava mesmo que indiretamente na área,sendo assim,o mal informado sem dúvida é este senhor excelentissimo bacharel,que traz o preconceito estampado em suas palavras.
    Quantos filhinhos de papai entram na faculdade para ter um diploma e acabam atuando na profissão escolhida e fazendo merda,não generalizando,me refiro aqueles que usam a classe e o nome Bacharelado para se esconder de suas próprias frustrações e acabam fazendo com que muitas pessoas paguem o preço pela sua falta de ética,profissionalismo e humanidade.
    Eu fico indignada com isso,me revolta,tamanha discriminação!
    Isso é atitude de quem não acredita no próprio potencial e fica querendo puxar o tapete de quem realmente está disposto a vestir a camisa e honrar o seu diploma!
    Mas como já disse,unidos venceremos a barreira do preconceito sim e mostraremos a estes preconceituosos de que não é puxando o tapete dos outros que se constrói uma carreira sólida e verdadeira.
    Abraços a todos e me desculpe Moacir,pelo desabafo no seu blog,mas que me revolta,ahh se revolta.
    Obrigada por seguir meu blog e espero que mantenhamos contato.

    ResponderExcluir
  5. Gente...to virando fã do Moacir!!! hehehe
    Os artigos dele são ótimos!!
    Estou me formando em Tecnologia em Gestão Pública, mas volte meia ouço comentários pejorativos quanto a nossa formação...mas isso é reflexo de pessoas com a mente tradicionalista e com "síndrome de gabriela"...que insiste em fazer tudo igual, sem possibilidades para o novo.
    Mas frente aos avanços tecnológicos, o ensino superior precisou atualizar-se, preparando profissionais para novas áreas, para atender a demanda do mercado atual...aí surgiu o TECNÓLOGO!
    Quando o computador foi inventado, as máquinas de escrever ficaram obsoletas, assim coube aos datilógrafos procurarem novas perspectivas...bem como, cabe aos bacharéis reverem seus conceitos, ver até que ponto suas profissões são tão "imprescindíveis" e passarem a respeitar, de igual para igual, os TECNÓLOGOS, que vieram para ficar...

    ResponderExcluir
  6. Como se deve proceder diante de um concurso público que em seu edital declara abertamente "não aceitar diploma de Licenciatura ou Tecnólogo"? Fica descartada a possibilidade de participar deste concurso?? Há a quem recorrer neste caso?

    ResponderExcluir
  7. Ótima contra resposta!

    ResponderExcluir
  8. Difícil conter as lagrimas depois de ler essa sua resposta,depois dos quarenta anos e depois de tantas labutas, decidi estudar Tecnologia em Gestão Pública e veja bem,nem me formei e já encontrei uns "BacharelandoS",agora não preciso dizer para que "Consulte o MEC" tenho uma defesa pronta kkkkkk...Agradecida pelo trabalho bonito e esclarecedor do seu blog.Saúde e que seus dias sejam como café fresco e pão de queijo novinho.

    ResponderExcluir