quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Resposta a comentário malcriado na postagem "Aluno [tecnólogo] que não conseguiu registro no Crea será indenizado"


Por Moacir Garcia *


Segue comentário malcriado contra nossa categoria (tecnólogos) na postagem de 10/04/2012, cujo título segue abaixo e minha "respostinha" a esse tipo de provocação. 


TERÇA-FEIRA, 10 DE ABRIL DE 2012 




É muita ingenuidade achar q fazendo um curso de curta duração em uma faculdade de fundo de quintal vc vai ter o mesmo mercado que alguém formado em um curso com duração normal e uma faculdade que seja ao menos respeitada! É mal de brasileiro, que gosta de fazer tudo do jeito mais fácil...E quem é técnico de segurança sabe q os tecnologos de segurança não servem pra nada, pois a NR 4 não cita a função deles para a composição do SESMT.  Deixem de preguiça!” (sic




Minha resposta: 


No mínimo você, anônimo (22.08.2012), deve ser um profissional generalista frustrado, assalariado, que não sabe respeitar as escolhas dos outros (o problema aqui não é ser assalariado, não é morar humildemente e sim, a arrogância desse indivíduo!)

Na minha faculdade e na pós eu tive uma disciplina que considero muito importante: gestão da diversidade. Nessa disciplina eu aprendi que as pessoas são diferentes, têm gostos diferentes, têm aptidões diferentes. E com isso elas fazem escolhas diferentes. 

O que quero dizer com isso? Certamente, anônimo (22.08), em seus 4 ou 5 anos de faculdade (se é que tem curso superior), você não aprendeu o que é tolerância. E é por atitudes como a sua que existiram e ainda existem guerras, pois se outras pessoas têm a pele, a religião, a etnia, por exemplo, diferentes da nossa, partirmos logo para a ignorância, como se apenas nosso ponto de vista fosse o certo. Dessa mesma maneira agiu Hitler, Mussolini e muitos outros “ nazistas” que tivemos na história. 

Eu poderia ficar discorrendo com você, anônimo (22.08) o tempo que quisesse, todavia, tenho muitos clientes precisando de meus conselhos profissionais, tenho um livro de RH para escrever e muito mais. Diferentemente de você, que não deve ter nada mais importante para fazer senão menosprezar as pessoas ou categorias. 

Você, se tiver empregado, deve ter um contracheque no final do mês com no máximo R$ 3.000,00. Com muita sorte talvez chegue a uns R$ 4.000,00 bruto, dependendo do Estado em que trabalhe e de sua posição na hierarquia da empresa. Daqui a 5 ou 10 anos certamente você ainda estará ganhando este salário, se não tiver desempregado, é claro! 

Por sua arrogância, deve ser daqueles profissionais que já sabem tudo, que é o centro de tudo, que só você tem razão. "Profetizo", com minha longa experiência na área de gestão de pessoas, treinamento e desenvolvimento de profissionais para o mercado de trabalho, que você em pouco tempo estará desempregado. Sinto dizer que somente qualificações técnicas já não são suficientes para manter-se no emprego. Qualificação técnica? Com certeza isso você tem (?). Você deve ser bacharel (?). Estudou muito mais do que nós, tecnólogos, não é verdade?!. Contudo, sua habilidade de lidar com pessoas é péssima, seu comportamento e suas atitudes são mesquinhas. 

Você não consegue passar por um processo seletivo sério, com recrutador qualificado e experiente. Estou desde já te reprovando se fosse seu recrutador numa entrevista de emprego. Não deve nem saber fazer um currículo. Não te deixaria participar de dinâmica de grupo pois tenho certeza que você teria problemas com os colegas. Você é doente, é egoísta. Tenho pena de pessoas como você. O mercado expurga profissional como você, assim como o faz com um câncer ou um verme. 

Diferentemente de você, anônimo (22.08), o profissional que as empresas desejam possui as seguintes características: ética, proatividade, tolerância, respeito às diferenças, busca constantemente aprender sobre sua profissão e sobre o mundo. Além disso, os colaboradores que o mercado deseja não julgam as pessoas por sua cor, sua religião ou seu diploma, não menosprezam as pessoas por sua renda, pelo carro que dirigem ou pela casa em que moram. 

Tenho certeza que você, anônimo (22.08), não tem 30 anos ainda, não sabe o que é sustentar família, filhos, dividir seu tempo entre os vários papéis que homens de verdade têm de fazer todos os dias. Tenho certeza que seus afazeres mais importantes são as baladas que você curte quase todos os dias. 

Daqui a 10 ou 20 anos pelo menos, quando você tiver na casa dos 40 anos de idade e tiver virado homem de verdade (duvido!), então, sim, você se atreva novamente a criticar as pessoas desse jeito. No entanto, tenho certeza que depois de algum tempo (mais uma vez "profetizo" seu fracasso profissional) sem trabalho, rodeado por pessoas fracassadas, da sua estirpe, se você tiver aprendido as lições que a vida nos ensina todos os dias, essa não mais será sua atitude. Talvez terá filhos, esposa, responsabilidades que todo pai de família tem. Certamente daqui a 10 ou 20 anos você não agirá mais assim. E se arrependa de sua arrogância em fazer acepção de pessoas.  

Como uma pessoa assim trata seus subordinados, seus pares, seus amigos, seus pais? Será que é daqueles que queimam índios nas praças ou matam pessoas inocentes por não torcerem para o mesmo time?  Aproveite esses ensinamentos hoje, de graça, pois quando chegar este momento que "profetizei", certamente você se lembrará dessas palavras. 

Para finalizar, reflita um pouco sobre as sábias palavras de Lobsang Rampa: “é melhor acender uma vela do que amaldiçoar a escuridão”.


* Moacir Garcia é Consultor de Recursos Humanos no Estado do ES

5 comentários:

  1. Ele realmente não está a par do mercado de trabalho. Estatísticas mostram que sobram candidatos de nível superior e faltam candidatos de nível técnico. Isso deve-se ao fato de que, a maioria das instituições superiores investem mais em teorias do que em práticas cotidianas, lançando no mercado profissionais sem experiência. Já os estudantes de cursos técnicos, aliam as práticas que o mercado busca em um tempo mais curto de estudo, uma vez que cursos técnicos variam de um a dois anos de extensão.

    As chances de um técnico recém-formado conseguir um emprego é alta, além disso, mais da metade desses profissionais trabalham no setor privado, em grandes e médias empresas, com carteira assinada e salários iniciais que chegam a R$2.000 reais. Segundo estatísticas, o salário médio de técnicos em 18 estados brasileiros supera o de profissionais de nível superior. Em Minas Gerais, por exemplo, um profissional de nível técnico ganha quase R$ 3.000,00 reais. Em algumas especializações, o curso de nível médio tem maior peso, como por exemplo, um técnico em soldagem que trabalha em Pernambuco, ganha R$ 4.500,00 reais, ou um técnico em Mineração no Rio de Janeiro, que pode chegar ao salário de quase R$ 9.000,00 reais.

    Portanto, podemos concluir que os profissionais técnicos são muito mais procurados atualmente no mercado, do que profissionais graduados.

    ResponderExcluir
  2. Sou tecnólogo em segurança no trabalho, estou fazendo pôs graduação e acho lamentável comentários idiotas como esses, muita gente frustrada por sua incompetência profissional e também comparar atribuições ....Pessoal o inteligente estuda e os burros se lamentam

    ResponderExcluir
  3. Esse Blog é ótimo!!!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo blog, ele me ajudou na decisão de começar o curso de tecnólogo em segurança do trabalho.

    ResponderExcluir
  5. chupa anônimo (22.08.2012.... kkkkkkkkkk
    Sou Formada em Design Gráfico, curso tecnólogo sim e com muito orgulho.. e é lamentável dizer mas tenho que lidar com gentinha desse tipo todos os dias!

    Amei a resposta!!!!

    ResponderExcluir